Manual para o Tri da Libertadores

Por algum tempo escondi esse documento. Tinha medo que clubes rivais tivessem acesso ao caminho das pedras e achei que a Direção do Grêmio, o Renato, os Jogadores e até mesmo a Torcida pudessem encontrar esse caminho, o que não está ocorrendo de forma natural. Por isso, irei publicar, mesmo que possa estar municiando alguns adversários.

Vamos começar da mesma forma que se forma um time, de trás para a frente. Victor. Ele é o melhor goleiro do Brasil e ponto final. Não há que se questionar falhas, desatenções ou afins, na média ele é o que há de melhor no mercado e dentro do Grêmio nem se fala. Há de ser visto que a causa das falhas do nosso camisa 1 pode estar à frente dele, e não dentro da pequena área. Além disso, estamos em uma competição de mata-mata, onde pode haver decisões por pênaltis a qualquer momento, e Victor é o maior pegador de pênaltis do país no momento, quiçá do mundo. Assunto encerrado.

Passemos à nossa dupla de zaga. Dá pra ser campeão da Libertadores com Rafa Marques e Rodolfo? Sim! Basta que Rafael Marques jogue com mais vontade, Rodolfo jogue com um pouco menos – evitando os excessos – ambos tenham atenção durante 110% do jogo e treinem muito a bola aérea defensiva. Sobre a bola aérea: falta treino e falta um centroavante alto auxiliando lá atrás na bola parada. Antes da lesão, André Lima era responsável pela segurança da bola na primeira trave, tirando a sobrecarga dos zagueiros. Importante ressaltar que temos SIM opções para a defesa. Sem nem citar o rebelde-sem-causa e relapso Mário Fernandes, Renato nunca testou Vilson ao lado de Rodolfo.

Sobre os laterais. Gabriel e Lúcio são os laterais do Grêmio. Lúcio deve ser fixado na lateral, assim nos livramos da ferida Gílson, e do esforçado mas carente de qualidade Bruno Collaço. Tanto Lúcio quanto Gabriel cumprem bem funções na meia-cancha, visto que têm muita qualidade. Porém, ao passar para o meio-campo viram meias nota 7, enquanto na lateral são nota 9 ou 9,5. Jamais poderão ser considerados meias efetivos, pois quando houver qualquer tipo de problema com Douglas (como o desfalque contra o Oriente Petrolero) ficamos sem qualquer tipo de criação na meia-cancha.

Meio-campo. A escalação a la C. Juarez Roth do Renato contra o Cruzeiro-RS muito me agradou. William Magrão dá muita mobilidade ao time, e apoio ao até então abandonado Gabriel. Adílson vem arriscando chutes de média distância com qualidade, o que já é característica de Magrão e Rochemback. Esses três conseguem dar uma boa sustentação ao meio-campo, liberando a passagem constante dos nossos ótimos laterais e o maestro Douglas para armar as jogadas. Nosso jogo ainda está muito concentrado no Douglas, com essa mudança a defesa adversária precisará atentar para outros fatores, dando alguma folga ao nosso camisa 10. Aí, a gente sabe que seus passes e lançamentos são letais.

Weverson Leandro. Ainda não está pronto, ainda não está 100% afirmado, mas o guri é o que melhor temos, ou tivemos desde Carlos Eduardo, em matéria de segundo atacante. A bola dada nele é sempre garantida, ou ele vai pra finalização da jogada, ou volta algum passe também com qualidade. Acho que ele deve cair ainda mais pelas pontas, pois é muito visado, vai abrir a marcação pra Douglas, Borges e quem mais vier de trás. Aperfeiçoando os cruzamentos, trabalhando um pouco sua visão de jogo e tentando ainda mais chutes de média distância, teremos uma jóia que nos dará muitas alegrias mais.

O Centroavante, o Nove. Borges não é ruim, nunca foi. Aliado à sua atual baixa explosão, que o faz sucumbir entre os zagueiros, temos um azar impressionante. Ele tem errado gols incomuns para o seu futebol. Infelizmente, os únicos remédios para isso são sequência de jogo e doses cavalares de confiança. Aguardamos ansiosamente a volta de André Lima, este é certeza de referência na grande área (registro aqui que nunca ganhamos ou chegamos perto de uma Copa sem isso), auxílio na bola aérea de defesa e além disso é identificado com a torcida. O Guerreiro Imortal tem a cara do Grêmio.

O Santo. Renato tem 97,5% dos méritos por estarmos na Libertadores nesse momento, isso é um fato. Foi ele, e somente ele, que fez o time dar aquele salto de qualidade e aquela arrancada no Campeonato  Brasileiro de 2010 e somos muitos gratos por isso, da mesma forma que somos pelos ♪ dois golaços de Portaluppi, Grêmio pra sempre campeão mundial ♪ . Porém, isso tudo é passado. Renato precisa trabalhar a bola aérea de defesa do Grêmio exaustivamente. Parar com invencionismos como lateral na meia, volante na lateral, etc, colocar cada um na sua função, pois temos boas peças em cada área do campo. Além disso, pode também parar com declarações polêmicas sem necessidade e deixar com Falcão toda a atenção de seus amigos da gloriosa imprensa rio-grandense.

Sobre a Direção. Cadê o Odone? Se ouve o presidente somente em dia de jogo e olhe lá. Não falou no caso do Carlos Alberto nem no recente caso do Mário Fernandes. Quem deveria ter falado sobre jogar na grama sintética era ele ou o Vicente, não o Renato. Precisamos de mais atitude, foi assim que Odone conduziu o Grêmio do Anapolina à final da Libertadores de 2007. Agora é tarde para contratar, porém Odone falou em Ronaldinho, Coates, um atacante de nível de seleção, e entregou ao Renato Carlos Alberto, Rodolfo e Escudero. É pouco. Sobretudo, precisa chacoalhar algumas peças caras que temos no vestiário, como estes recém citados, para que dêem o devido retorno ao investimento feito neles.

Por fim, a nossa parte, a parte da Torcida Gremista. Terça-feira temos 90 minutos que vão decidir os rumos do Grêmio na Libertadores. Não importa se o time não vem bem, se você não gosta de determinado jogador, se o horário do jogo é ruim ou se seu cachorro está doente. Lugar de gremista é no Monumental. E o gremista deve ir para o estádio para apoiar o time durante os noventa minutos. Se for pra cornetear, fica em casa, de preferência com alguns amigos vermelhos pra se sentir bem à vontade com sua amargura. Chegamos em uma reta final, em um ponto em que as críticas não vão mudar muita coisa, por isso o melhor caminho é dar apoio e confiança ao que temos aí. Fazer novamente do Olímpico o caldeirão já conhecido, onde todos os adversários têm medo de jogar.

Apesar de haver na competição alguns times melhores do que o nosso, esse Manual é garantia de sucesso. Porém, há ainda uma recomendação de uso importantíssima. Para que levemos essa Libertadores, independente dos fatores acima, ninguém pode querer ganhar mais do que o Grêmio.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...