Mais sorte do que juízo…

O que vimos ontem não é esse papo de imortalidade nada, mas sim uma sessão de terror, com pitadas de muito desespero. Sim, porque a coisa foi feia e se não fosse a muralha Victor teria sido pior ainda.

Em um jogo que começou de forma tranquila (apesar do Ypiranga bater desde o início de jogo) e com uma das coisas que mais tenho pedido nos últimos meses acontecendo. CHUTES DE LONGE!!!!

É pedir demais isso? Acho que não, e o Douglas viu que dá certo, mas porque não arriscamos mais de longe hein? Tá certo que poucas das oportunidades acabaram caindo no pé do Adilson que não categoria para chutar, mas mesmo assim.

Ypiranga jogando o tempo todo com todo mundo recuado e partindo (e muito rápido) para o contra ataque a todo momento. Além de continuar batendo e muito, tentando a técnica de bater principalmente no Leandro que estava fazendo miséria com os marcadores pelo lado direito do nosso ataque.

Mas os chutes de longe ficaram restritos ao gol do Douglas mesmo, e ainda tivemos o gol incrível que foi perdido pelo Borges após linda jogada do Leandro (aliás poderia entrar para o tal Inacreditável Futebol Clube). E com isso as mesmas jogadas de sempre e que todos já viram que não dá certo, tentando entrar praticamente dentro da pequena área com 11 jogadores adversários já lá dentro.

Mas enfim, para piorar nossa defesa (que a cada ataque adversário tem me tirado o sono) falha feio e deixa os caras empatarem um jogo, que como eu falei no twitter, era para repetir os 5×0 da Taça Piratini. Depois do empate, parecia o primeiro jogos da fase de classificação ainda que acabamos amargando um 1×1 (dou um desconto pois eram os reservas nesse jogo).

Aí veio as questão da substituições que me deixaram louco, mas depois de explicadas tantos por Douglas e Renato acabei aceitando e concordando. Douglas estava voltando de uma gripe forte e tinha treinado pouco, normal que canse. Já o Leandro a troca foi mais por conta da quantidade de porrada que o guri tava levando e com certeza já tava perdendo a calma (menos mal, assim mostra que não tem sangue de barata).

Pior que as entradas de Fernando (que ainda acho que jogou muito menos do que já jogou na seleção sub), Carlos Alberto e Lins foram boas, jogaram bem e não comprometeram em nenhum momento. Aliás para mim essa foi a melhor partida do Carlos Alberto, manteve bem a bola no pé, bateu um pouco de boca mas não perdeu a cabeça, e criou boas jogadas. Lins também jogou muito bem caindo pelo lado esquerdo do campo.

Mas ainda permanecia a mania de entrar dentro da área para tentar algo, quando tentavam chutar já era meio que no desespero mesmo e em cima da zaga. Enfim, empate amargo e pênaltis para definir.

Foto Neco Varella/Agência Freelancer

Aí sim, ele, sempre ele resolve tudo. Victor pega 1 pênalti (e como o pessoal mandou pelo twitter, está buscando a marca de 1000 pênaltis defendidos) resolvendo assim a parada.

Agora passado o jogo e com a cabeça fria se consegue analisar melhor. O time não jogou mal, o adversário foi quem não “quis” jogar. Digo que o time não jogou mal pois para mim o que aconteceu é que parecia que estavam afobados para definir o jogo de uma vez e tentar dar um basta nos comentários sobre os últimos jogos.

Aliás a preocupação (não sei se é bem essa a palavra), ou falação demais da imprensa tentando a todo momento plantar crises apesar o Renato falar que não entra no vestiário, parece que acabou entrando, tanto que até o Victor se manifestou sobre isso em coletiva.

Mas acho que tem que ignorar isso tudo mesmo, e aproveitar que o técnico “queridinho” da mídia está do outro lado e se focar e muito nos treinamentos. Principalmente em jogadas contra a nossa zaga, cobranças de falta (que caiu bastante), cobranças de escanteio (parar com aquelas jogadas curtas e cobranças antes mesmo do primeiro poste que não dá mais) e muito calma em campo. Mas muita calma mesmo, saber lidar com a pressão do adversário e não entrar no pavor quando o resultado está adverso. Só assim buscaremos o nosso TRI da Libertadores (objetivo do ano).

Já a nós (torcedores) temos a obrigação de apoiar e não entrar nessa da imprensa e suas “pregações e crise” o tempo todo, nada de vaiar time, jogadores específicos ou técnico. Se isso fosse resolver alguma coisa até concordaria, mas agora precisamos é da nossa apaixonada torcida cantando e muito pois a parte da boa da Libertadores vai começar, e nossa torcida é sempre referência pelo apoio ao time, basta ver (se é que alguém ainda viu) as chamadas da SporTV para os nossos jogos na Libertadores.

Então tchê, já sabe, no próximo é apoiar e cantar o tempo todo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...